15 Jan. 2024
Escritor: Mauricio Motta
Revisor: Historiador Libertario
Narrador: Kerygma
Produtor: Leandro Brito

Sérgio Moro: entre a desonra e a biografia

A história do Acordo de Munique, assinado em setembro de 1938, é marcada por uma viagem crucial do então primeiro-ministro britânico, Neville Chamberlain para negociar com verdadeiros inimigos. Naquele momento, ele buscava evitar um conflito armado na Europa e apaziguar as tensões que levaram à Segunda Guerra Mundial. No entanto, as consequências desse acordo e as críticas subsequentes feitas por Winston Churchill, revelaram-se fundamentais para a compreensão dos eventos que se desenrolaram naquela época.


Neville Chamberlain, conhecido por sua política de apaziguamento, viajou para a cidade alemã de Munique para uma reunião crucial com Adolf Hitler, líder alemão, Benito Mussolini, líder italiano, e Édouard Daladier, líder francês. O objetivo era resolver a crise dos Sudetos, região da Checoslováquia habitada principalmente por alemães étnicos.


A negociação resultou no famoso Acordo de Munique, que permitiu a anexação da região dos Sudetos pela Alemanha, sem oposição internacional. Chamberlain, ao retornar a Londres, declarou que havia alcançado “paz para o nosso tempo”. Contudo, a aparente diplomacia bem-sucedida logo se tornaria alvo de críticas intensas.


Apesar da aparente estabilidade temporária proporcionada pelo acordo com os fascistas, este revelou-se uma concessão desastrosa. Hitler não demorou a ignorar os compromissos do acordo, e em março de 1939, ele anexou o restante da Checoslováquia, contrariando claramente os termos estabelecidos. Esse acordo permitiu a agressão alemã ao fornecer a Hitler uma sensação de impunidade e fraqueza por parte das potências ocidentais. O episódio ilustrou as limitações da política de apaziguamento, que se mostrou incapaz de conter as ambições expansionistas e antiéticas do regime nazista.


Winston Churchill, que havia alertado repetidamente sobre a ameaça representada por Hitler, criticou veementemente o Acordo de Munique. Em um famoso discurso no Parlamento britânico, em 5 de outubro de 1938, Churchill expressou sua preocupação com as consequências do acordo, afirmando que: “Entre a desonra e a guerra, eles escolheram a desonra e terão a guerra”.


O líder britânico percebeu a fragilidade da paz baseada em concessões semelhantes e previu que o Acordo de Munique levaria a um conflito ainda mais amplo e destrutivo. Sua crítica ressoou mais tarde, quando a Segunda Guerra Mundial eclodiu, reforçando a importância de resistir às agressões e não ceder diante de ditadores expansionistas.


O Acordo de Munique é frequentemente lembrado como um exemplo de diplomacia falha e da ilusão de que concessões excessivas podem garantir a paz. As consequências desse acordo foram severas, alimentando a máquina de guerra nazista e contribuindo para a eclosão de um conflito global.


A tragédia de Munique transcende os anais da História, transformando-se em uma narrativa que ressoa com lições atemporais. O trágico acordo, apesar de sua busca por uma paz efêmera, ilustra as limitações da diplomacia excessivamente pacifista que evita confrontos. A crítica de Churchill, com suas palavras evocativas, serve como um farol, indicando a importância de resistir às sombras da agressão e manter os princípios fundamentais.
Na trama de Munique, aprendemos que a diplomacia deve ser conduzida com sabedoria, discernindo entre a paz genuína e o teatro das sombras. O legado de Munique é uma advertência de que concessões excessivas podem alimentar monstros, e a verdadeira paz muitas vezes exige a coragem de resistir aos tiranos. Afinal, como defensores da liberdade e dos direitos de propriedade, defendemos o direito de defesa e ataques criminosos e desproporcionais. Portanto, todos os países europeus ameaçados pelos nazistas tinham total direito de defesa.


A história é muitas vezes um intrincado tecido, entrelaçando as ações de líderes em diferentes épocas. A postura adotada por Neville Chamberlain no contexto do Acordo de Munique ecoa por décadas, suscitando comparações intrigantes com líderes posteriores, notadamente Ronald Reagan, Yitzhak Rabin, George W. Bush e Margaret Thatcher.


Enquanto Chamberlain buscava apaziguar e evitar conflitos iminentes na Europa, sua abordagem de negociação com Adolf Hitler revelou-se controversa. Em contraste, Reagan, o "presidente da resolução", destacou a firmeza como uma ferramenta vital contra o terrorismo quando disse: “Quando as pessoas veem uma negociação, elas veem fraqueza”. Suas palavras ressoam quando Chamberlain, em sua busca por apaziguar, se viu ultrapassado pelos eventos que se desenrolariam.


A postura de Rabin, líder israelense e veterano de conflitos, alinha-se de maneira notável com a firmeza de Reagan. “Nós não negociamos com terroristas. Nós os combatemos”. Ambos rejeitaram a negociação com terroristas, cientes de que ceder a tais demandas poderia alimentar um ciclo de violência interminável - os métodos terroristas violam todo e qualquer direito humano, o que é inaceitável.


George W. Bush, em resposta aos ataques de 11 de setembro, pronunciou palavras que reverberam no contexto de Munique: “Nós não fazemos concessões a terroristas. Nós não nos curvamos ao medo. Você não negocia com terroristas, você os derrota”. Essa assertividade contrasta vividamente com a abordagem de Chamberlain, cujas negociações resultaram em concessões que apenas estimularam a agressão.

“Nós não negociamos. Não negociamos com pessoas que tomaram outros territórios e que estão invadindo. Eles precisam sair. Essa é a única negociação que teremos”. Disse Margaret Thatcher, durante a crise das Malvinas, demonstrando uma determinação semelhante à de Reagan. Sua recusa em negociar a soberania das ilhas era uma afirmação clara de que, em face da invasão, não haveria compromissos.

Ao observar esses líderes em retrospectiva, é inegável que a postura de Chamberlain em Munique, embora influenciada pelo contexto único da época, destoa significativamente da firmeza subsequentemente demonstrada por Reagan, Rabin, Bush e Thatcher. A lição que emerge é a de que, em questões de segurança global, a resolução muitas vezes supera a diplomacia complacente, marcando uma distinção crucial entre ceder a ameaças e resistir à tirania.

Feita a apresentação dos eventos históricos que antecederam a Segunda Guerra Mundial e, apresentados os contrapontos à postura conciliatória de Chamberlain, por meio da firmeza das ações de nomes como Reagan, Rabin, Bush e Thatcher, voltaremos ao tema deste vídeo. Caso o nosso assunto aqui, associado ao conteúdo apresentado até agora, ainda não tenha sido suficiente para que você se localize sobre verdadeiro protagonista deste vídeo, esclareceremos. Em verdade, buscamos fazer um paralelo entre um importante fato histórico e a postura do senador Sérgio Moro em 13 de dezembro 2023, durante a sabatina do candidato a uma das cadeiras no Supremo Tribunal Federal.


A postura sorridente e conciliatória de Moro diante de Flávio Dino, a troca de sorrisos, a camaradagem aparente, guardadas as devidas proporções, poderiam apontar para a postura de Chamberlain durante o encontro em Munique. A fala de Moro: “Eu sempre deixei muito claro que tenho diferenças com o atual governo, e vossa excelência faz parte do governo, tenho diferenças profundas, e tenho sido um crítico, inclusive, da gestão de vossa excelência, mas não perderei a civilidade. E acho que esse país precisa disso, para que nós possamos diminuir a polarização”. Essa fala nos faz lembrar a histórica foto de Chamberlain, acenando com o acordo assinado em Munique em suas mãos: “paz para o nosso tempo”.


Aos olhos de hoje, o gesto de Chamberlain parece ingênuo, assim como a postura do senador transparece ingenuidade ou, algum outro sentimento que somente poderia ser explicado pela livre interpretação de uma fala do Ministro Dino. Ao responder a repórteres sobre o suposto voto favorável de Moro à sua entrada no STF, Dino declarou: “Acho que somente ele e Deus sabem. Eu realmente não sei”. Crer que existe conciliação entre visões de mundo diametralmente opostas, somente por uma milagrosa intercessão divina poderia ser alcançada a graça e o milagre de uma explicação.


Os fatos estão expostos: o senador Sérgio Moro tem em sua famosa biografia, a atuação durante a “Operação Lava Jato”, que foi determinante para o desenrolar da história recente do Brasil. Também é fato divulgado amplamente nos meios de comunicação, que a figura do senador representa uma “persona non grata” para alguns setores da política nacional. Finalmente, outro fato é que a Procuradoria Regional Eleitoral do Paraná, pediu na noite do dia 14 de dezembro 2023, a cassação do mandato do senador por abuso de poder econômico na pré-campanha de 2022. Também foi pedida a declaração de inelegibilidade do senador. Apenas um dia após o acordo de Munique... perdão, um dia após a sabatina no Senado Federal.


Vozes vindas de 1938 ecoam em tom profético a fala adaptada de Winston Churchill: Entre a desonra e a cassação, eles escolheram a desonra e terão a cassação. Mas como dizem alguns exegetas: as profecias não são necessariamente previsões de fatos que ocorrerão no futuro, mas antes são alertas para que os homens retifiquem suas veredas, a fim de que as profecias de fato não se cumpram, mas que os homens sejam salvos. No caso do senador, se seu objetivo tenha sido o de se alinhar ao grupo que antes era alvo de seu julgamento, que triste fim de Policarpo Quaresma. Por outro lado, se buscou ceder sua biografia em troca da salvação de seu mandato, poderá ter seguido o mesmo caminho de Chamberlain: “paz para o nosso tempo”. O fim desta história só o tempo poderá mostrar, mas por hora é o que há enquanto a desonra e a biografia repousam sobre a mesa de negociações. Moro, infelizmente, esqueceu que estava negociando com um comunista de carteirinha, desses que adoram Karl Marx, e que Flávio Dino já admitiu que esse “tempo da liberdade de expressão chegou ao fim”.


Enfim, o nosso grande aviso, como libertários que somos, é: não negociem com comunistas, pois, no primeiro momento em que tiverem a oportunidade de te apunhalar pelas costas, certamente o farão. O comunista sempre te verá como um instrumento para alcançar o poder, pois seu relativismo moral e ético não o permite ter princípios e valores e ser um homem de palavra. Lembremos, por fim, que os nazistas, ao fracassarem numa tentativa violenta de golpe em 1923, conhecido como o "Putsch da Cervejaria", resolveram participar da democracia alemã e o resto é história. Da mesma forma, os comunistas seguem com a mesma estratégia no Brasil, ao participarem da política convencional sem o uso de força, e o grande desafio de nosso tempo é vencer essa guerra política e cultural.

Referências:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Neville_Chamberlain https://pt.wikipedia.org/wiki/Acordo_de_Munique https://www.cartacapital.com.br/politica/so-ele-e-deus-sabem-diz-dino-sobre-voto-de-moro-no-senado/ https://www.cnnbrasil.com.br/politica/dino-e-moro-se-abracam-e-riem-durante-sabatina-no-senado-saiba-o-que-foi-dito/

Visão Libertária

Visão Libertária é um jornal diário no YouTube, parte do canal ancap.su com conteúdo voltado ao libertarianismo. Trata-se de um jornal colaborativo em que muita gente participa da criação, edição, escolha dos temas e consegue receber algumas migalhas que o YouTube, de vez em quando, joga pra gente.

Nossas Redes Sociais

Visão Libertária. Desenvolvido por KoreacomK e a comunidade.